eiro o POVO

terça-feira, 7 de novembro de 2017

TRATAMENTO DE QUEIMADURAS COM PELE DE TILÁPIA É CITADO EM SÉRIE DOS EUA

the good doctor Na ocasião, ele cita que o tratamento já feito em um centro de saúde chamado de
Hospital Comunitário de San Diego com base na técnica brasileira ( Foto: Reprodução )
O tratamento para queimaduras com pele do peixe tilápia, que tem o Ceará como estado pioneiro, foi destaque no 6º episódio da série de TV ‘The Good Doctor ’.

Ainda inédita no Brasil, a série aborda a rotina do jovem cirurgião Shaun Murphy, que foi diagnosticado com autismo e síndrome de Savant. Trabalhando no hospital San Jose St. Bonaventure, ele busca saídas para tratar os pacientes e desafiar o ceticismo dos colegas.

No episódio em que o tratamento com pele de tilápia é citado, um dos médicos da equipe, identificado por Jared Kalu, tenta salvar a vida de uma mulher atingida por queimaduras de 2º e 3ª graus. Ela está com um grave ferimento no pescoço quando o personagem sugere o tratamento experimental com a pele do peixe.

Na ocasião, ele cita que o tratamento já feito em um centro de saúde chamado de Hospital Comunitário de San Diego, mas que já havia sido utilizado em um hospital brasileiro, mas sem citar o nome. Porém, o chefe do médico reluta em aceitar a saída proposta por Kalu, mesmo ele justificando que o recursos diminuiria as dores e evitaria infecções.

Mais na frente, o trecho do episódio acaba mostrando que a pele de tilápia será usada. Veja:

Sobre o tratamento

A pele de tilápia tem como vantagem a diminuição dos procedimentos de troca de curativos, o que acarreta menos dor e desconforto ao longo do tratamento. Outro benefício é que a pele animal tem maior quantidade de colágeno dos tipos 1 e 3, proteínas importantes no processo de cicatrização. O uso da pele de tilápia também evita contaminação bacteriana e perda de líquidos por exsudato, secreção de natureza inflamatória.

O estudo, desenvolvido pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e já utilizado pelo Instituto Dr. José Frota, foi o primeiro feito com um animal aquático do mundo e tem a direção do médico e professor Odorico de Moraes, coordenador do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM); coordenação médica de Edmar Maciel, presidente do IAQ; e coordenação de enfermagem de Cybele Leontsinis, do Centro de Tratamento de Queimados do IJF. A idealização do projeto é do médico pernambucano e cirurgião plástico Marcelo Borges.
Com DN / Cidade




Postar um comentário