eiro o POVO

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

EDITORIAL: OUTRO CARNAVAL

Por Luciano Silva

O Carnaval de 2018 acabou, já é possível afirmar que esta foi a melhor festa popular de Granja nos últimos anos. Até há pouco tempo, a cidade era tida como avessa à data, e mais da metade da população fugia para a folia nas cidades serranas ou praianas.

Tudo mudou a partir do momento em que os gestores, perdendo a vergonha, resolveram mudar o cenário. De repente, vieram as melhores atrações musicais, que hoje, encorpados, arrastam multidões, como aconteceu nos quatro dias de folia no “Carnaval de Todos”.

O sucesso é resultado da colaboração entre poder público e população. A prefeitura investiu com determinação no Carnaval, provendo a infraestrutura requerida. Os elogios à organização foram frequentes, apesar dos senões, naturais num evento dessa dimensão.

Nunca houve uma convivência mais democrática na cidade. As diferenças se diluíram no meio das multidões. Chaval, Barroquinha, Camocim, Jijoca de Jericoacoara, Martinópole, Sobral e toda zona norte se encontraram com um único objetivo, se divertir. Gente de todas as idades brilhou como estrelas no Carnaval. Não foram poucas as pessoas que ressaltaram se sentir seguras e respeitadas no local do evento.

Os incidentes foram inevitáveis. Pessoas foram presas e armas foram apreendidas. Houve acidente de trânsito, lesão corporal a faca de natureza grave, porte ilegal de arma de fogo e desacato.

Apesar de haver banheiros químicos à disposição, deixaram a desejar. Ou tinham filas, ou estavam sujos. As lixeiras também foram insuficientes. O resultado foi urina na rua e lixo no chão. Mas os garis brilharam, limpando as ruas em seguida.

O que não funcionou foi o transporte coletivo. Foi difícil encontrar um transporte após as 18 horas. Teve reclamações de superlotação nas vans Camocim/Granja/Sobral.

De tudo, fica uma conclusão: o ano que vem será melhor porque todos farão para ser melhor.



Postar um comentário