teste

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

Representante de diplomatas diz que fala de Guedes sobre servidores é ‘insulto’ e ‘injustiça’


Depois do repúdio de vários setores do funcionalismo à fala do ministro da Economia, Paula Gurdes, que classificou o servidor público de “parasita” os diplomatas resolveram avisar que também não gostaram de serem chamados assim. A presidente da Associação e Sindicato dos Diplomatas Brasileiros (ADB Sindical), embaixadora Maria Celina de Azevedo Rodrigues, “insultada, revoltada e indignada” por uma “classificação tão injusta”.

A ADB representa 1.600 diplomatas brasileiros em todo o mundo. Maria Celina disse que a entidade está preparando um pronunciamento para rechaçar a declaração de Guedes. A diplomata lembrou que o Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), do qual a ADB faz parte, também deve recorrer à Justiça contra o que chamaram de “assédio institucional” do ministro.

Para Maria Celina, a intenção do governo de realizar uma reforma administrativa no serviço público não justifica esse tratamento dado à categoria, que, segundo ressaltou a diplomata, em sua maioria trabalha corretamente e de forma dedicada. Ela disse que atribui essa postura do ministro Guedes “ao desconhecimento total” do que é o trabalho de um diplomata e dos servidores de um modo geral. “Quantas vidas já não foram salvas em hospitais públicos por ‘servidores parasitas’ que estão de plantão? Quantos médicos trabalham em situação de penúria total? Conheço muitos que pegam do dinheiro próprio para comprar coisas básicas”, comentou.

“O ministro não podia ter sido mais infeliz – do ponto de vista dos diplomatas do que ele foi agora – neste momento em que a gente teve três colegas que saíram de Pequim dirigindo seu automóvel, sofreram acidente (mas estão bem), e foram para Wuhan para ajudar a coordenar a partida dos brasileiros que queriam sair do país”, contou Maria Celina, se referindo a uma equipe de diplomatas que trabalhou diretamente no resgate dos 34 brasileiros da China para Anápolis (GO) por causa do novo coronavírus.

Hoje, o ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, fez uma postagem nas redes sociais parabenizando o trabalho dos três diplomatas – João Magalhães, Flávio Pazeto e Germano Corrêa – que, segundo Araújo, dirigiram 1.600 quilômetros em estradas com neve na China para organizar o embarque em Wuhan.

Maria Celina apontou ainda que esses diplomatas fizeram todo o processo de retaguarda, localização e organização da pessoas para que a missão brasileira chegasse a Wuhan e tudo tivesse pronto. Os diplomatas também ficarão em quarentena (mas na China), assim como os resgatados, porque tiveram contato com a região do surto. “Esses diplomatas, os militares, os médicos, todos são servidores”, lembrou.

“Então chamar de parasita quem está arriscando sua própria vida, me desculpa… Esses meninos (os três diplomatas) foram com coragem, mas são parasitários, supostamente porque o ministro quer fazer uma reforma. Eu confesso que me senti insultada, juntamente com todos os outros colegas diplomatas e com todos os outros servidores públicos”, afirmou. “Parasita? Essa é a ideia (que o ministro tem) do funcionário público? Você pode entender que eu esteja revoltada e indignada”.

A representante dos diplomatas disse que essa generalização feita pelo ministro é ruim. “No Ministério dele, os servidores são todos parasitas? Eu não posso aceitar nem como diplomata aposentada nem como presidente da ADB uma classificação tão injusta de uma forma coletiva para todos os servidores públicos, onde talvez tenha (profissional ruim), mas o número de pessoas que faz seu trabalho de forma correta é muito maior”.

A declaração de Guedes foi feita na última sexta-feira em palestra do ‘Seminário Pacto Federativo’, promovido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) no Rio de Janeiro. “O funcionalismo teve aumento de 50% acima da inflação, tem estabilidade de emprego, tem aposentadoria generosa, tem tudo. O hospedeiro está morrendo. O cara (servidor público) virou um parasita e o dinheiro não está chegando no povo”, disse o ministro.

Guedes disse que a aprovação de uma reforma administrativa é necessária para fazer com que mais recursos possam ser direcionados a áreas essenciais. “80% da população brasileira é a favor, inclusive, de demissão do funcionário público, estão muito na frente da gente.”

O governo ainda não enviou ao Congresso sua proposta de reforma administrativa do Estado. Pelo que já foi divulgado, haverá redução no número de carreiras e também no salário inicial do servidor, além de mudanças na chamada estabilidade – que hoje, na prática, impede que os servidores sejam demitidos.

Outras categorias, como auditores fiscais e policiais federais, também já protestaram contra a fala de Guedes. Além da reação do setor, a declaração do ministro irritou até políticos que apoiam o governo, o que levou o Ministério da Economia a divulgar ainda na sexta-feira uma nota para se explicar. Segundo a pasta, a fala “foi retirada de contexto”.
*Ceará Notícias- AE




Nenhum comentário: