teste

sexta-feira, 17 de julho de 2020

Vendedores ocupam Centro de Sobral mesmo com proibição


Produtos diversos ficam expostos sobre calçadas e até fixados em portas de ferro das lojas fechadas - (Foto: reprodução: DN)
Em Sobral, cidade polo da região norte, vendedores ambulantes insistem em comercializar produtos em calçadas, no entorno do mercado central. Diariamente, ocorre uma verdadeira feira livre com a venda de confecções, bonés, chapéus, brinquedos, produtos eletrônicos e outros itens. É um flagrante descumprimento do decreto municipal por conta do novo coronavírus.

Nas três últimas semanas, o comércio irregular tem aumentado na cidade. O mercado central está fechado há mais de três meses. Sem trabalho e sem renda, os feirantes começaram a vender nas calçadas, no centro comercial.

O problema ocorre desde o início da pandemia da Covid-19 e a área central é uma das que mais preocupam as autoridades locais em decorrência da presença de consumidores e comerciantes.

O agricultor, Francisco Gomes, veio da zona rural para fazer compras na cidade de Sobral e conseguiu porque encontrou a loja com portões entreabertos. Sobre a presença de muitas pessoas nas ruas, comentou: “não é seguro porque tem aglomeração”.

O aposentado, Francisco Paulo Souza, é vendedor em área mais afastada e também fez compras no centro comercial. “A gente precisa trabalhar, tem de comprar e vender para viver”.

O vendedor ambulante, Antônio Silva, é um dos que ocupam calçadas no entorno do mercado central e justifica a presença no centro. “Todos nós aqui precisamos vender para ganhar alguma coisa e sobreviver”, disse. “Vamos ficar aqui até o mercado abrir novamente. Não temos outra coisa para fazer”.

A dona de casa, Lúcia Costa, disse que reconhece a necessidade de trabalho e renda dos ambulantes, mas ponderou o risco da pandemia. “Sobral é uma das cidades com maior número de casos no Ceará e acho que esse pessoal era para ter uma assistência do governo, e não tá na feira”.

No entorno do mercado também há vendedores de frutas e verduras, que também justificam a presença diária ante a necessidade de trabalhar para manter a família. “Esse é o nosso trabalho, o nosso ganha-pão”, frisou o feirante, Antônio Miguel Lima.

Esclarecimentos

De acordo com o decreto da Prefeitura de Sobral ainda não há previsão para que o comércio de confecção e variedades volte a funcionar na cidade.

Por meio de nota, a Prefeitura de Sobral disse que há fiscalização, na área, mas diariamente os feirantes estão presentes expondo e vendendo seus produtos nas calçadas e até fixados nas portas de ferro das lojas fechadas.

Até o momento, o município informou que já foram emitidas 914 notificações e aplicados 71 autos de infração, cuja multa pode chegar até R$ 50 mil.   

De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde de Sobral, na noite desta quinta-feira (16), foram verificados 9398 casos de Covid-19 e 268 óbitos.

Já o portal IntegraSus registra 8.838 casos positivos da doença, colocando Sobral como a cidade com maior número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus, após Fortaleza (39.702).

Após quatro semanas em regime de medidas rígidas de isolamento social, o município de Sobral está na fase de transição da retomada das atividades econômicas.

A Prefeitura de Sobral esclareceu também que há um novo horário para funcionamento das agências bancárias, que vai das 8h às 13h. Os estabelecimentos autorizados a funcionar no centro comercial iniciam o atendimento ao público a partir das 14 horas. O horário diferenciado de atendimento ao público é para reduzir fluxo de pessoas na área central.
*Com Informações DN/Regional




Nenhum comentário: