teste

sábado, 18 de janeiro de 2020

Ex-deputada Mirian Sobreira bateu o martelo: vai trocar o PDT pelo PT, de olho na Eleição em Iguatu


Foto: Helene Santos
A ex-deputada Mirian Sobreira bateu o martelo: vai sair do PDT e se filiar ao PT no próximo dia 23. A mudança vem sendo construída desde o ano passado. A demora se deu por conta de tratativas com o PDT. De olho na Prefeitura de Iguatu, o cenário promete ser disputado entre aliados: Mirian, Agenor Neto (MDB) e o prefeito Ednaldo Lavor (PSD).
*Fonte: PONTOPODER

Presidente do PSB no Ceará trabalha filiação do deputado Agenor Neto para disputa em Iguatu


Foto: Thiago Gadelha
O presidente do PSB no Estado, deputado Denis Bezerra, trabalha a saída do deputado Agenor Neto do MDB para se filiar ao partido, para disputar a Prefeitura de Iguatu. Segundo Denis, a mudança acontecerá “o mais breve possível”. As articulações dependem de acordo entre o governador Camilo e o senador Eunício Oliveira, que quer manter Agenor no MDB.
*Fonte: PONTOPODER


sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

Camocim/CE: Marinha abre curso de formação para Pescador Profissional Nível I


Agência da Capitania dos Portos em Camocim – Foto: reprodução Pesquise Camocim
A Capitania dos Portos de Camocim, no Litoral Oeste do Ceará, abre seleção para cursos gratuitos de Formação de Aquaviários para Pescador Profissional Nível I. A iniciativa faz parte do Programa do Ensino Profissional Marítimo, com atividades previstas para todo o ano de 2020. 

As formações têm o objetivo de preparar profissionais no ingresso na Marinha Mercante como Aquaviários do 3º Grupo - Pescadores, Seção de Convés e de Máquinas. Se aprovado, o aluno receberá um Certificado de Proficiência.
Para realizar a inscrição, o candidato precisa ser maior de 18 anos e possuir escolaridade inferior ao 6º ano do Ensino Fundamental. Além disso, o interessado precisa ter a indicação de uma Empresa de Pesca ou de entidade representativa da categoria e estar em dia com as obrigações militares e eleitorais.

Aprendizes de Pesca

Os candidatos entre 16 e 18 anos, com autorização do responsável, podem se inscrever como Aprendizes de Pesca ou Aprendizes de Motorista. Após completar a maioridade, os formados poderão requerer a Caderneta de Inscrição e Registro, documento que comprova a formação, em qualquer Órgão de Execução ou Sistema do Ensino Profissional Marítim.

Durante as aulas, o aprendiz deverá acompanhar o trabalho de bordo, mas sem poder assumir função como tripulante. A medida é prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Serviço

  • 12/03  a  27/03 - Itarema (Almofala);     
  • 06/04 a 17/04 - Acaraú (Espraiado);    
  • 20/04 a 08/05 -    Itarema (Almofala);        
  • 18/05 a 29/05 -    Acaraú (Aranaú);       
  • 08/06 a 19/06 - Barroquinha (Praia Nova);
  • 29/06 a 10/07 - Chaval (Sede);    
  • 20/07 a 31/07 - Cruz (Preá);    
  • 10/08 a 21/08 - Barroquinha (Bitupitá)    ;
  • 31/08 a 11/09 - Camocim (Guriú);       
  • 21/09 a 02/10 - Camocim (Sede)    
Seção do Ensino Profissional Marítimo da Agência da Capitania dos Portos em Camocim: 
  • Telefone: (88) 3621-1003
  • E-mail: agocim.secom@marinha.mil.br
*Via DN Regional



Passageira grava colisão durante ultrapassagem na BR-020, no Ceará


Passageira filma momento em que carro em que estava é jogado fora de estrada (Imagem: Captura de tela)
Um motorista que viajava com a família pela BR-020, nesta quinta-feira (16), nas proximidades do município de Tauá, no Ceará, denuncia ter sido jogado para fora do acostamento por um carro-forte. No veículo, uma caminhonete, estavam o motorista, a mulher dele, no banco do passageiro dianteiro, e dois filhos do casal no banco detrás. As vítimas do acidente tiveram apenas arranhões.

“Fui tentar ultrapassar e ele entrou na frente. Como eu já havia lançado pra fazer a ultrapassagem, mais rápido do que eles, eu freei e tirei pro acostamento. E aí, ele jogou o carro contra o nosso, bateu na porta do nosso carro e jogou a gente pra fora da estrada”, relata o motorista da caminhonete, Leonardo Porto.

“Minha esposa se arranhou porque ela ficou muito nervosa na saída do carro, tinham muitos espinhos. Como era uma descida, tentei segurar o carro pra não virar e fui tentando diminuir a velocidade, quebrando tudo, até que a gente parou no tronco de uma árvore”, descreve a vítima do acidente.
O carro da família desceu um barranco e parou após bater em uma árvore. (Imagem: captura de tela)

Segundo o proprietário, o veículo ficou completamente destruído. A família tinha trocado de carro recentemente para realizar a viagem, segundo Porto.
A família registrou boletim de ocorrência sobre o caso, e tem intenção de acionar a Justiça contra a empresa do carro-forte.
*G1CE



Groaíras: Sem união, oposição facilita a reeleição do atual prefeito


Em Groaíras, a oposição até agora ainda não sentou para dialogar uma união, que de fato seja viável para o pleito deste ano.
Groaíras é uma cidade pequena, e de poucos votos. Embora tenha mais de 9 mil eleitores, nos últimos pleitos temos visto que só comparecem as urnas entorno de 7 a 8 mil. Portanto, uma eleição aqui, cada voto pode fazer a diferença. Informação via Blog do Tidi.

Embora o atual gestor esteja desgastado, não se pode negar sua habilidade em manter seu grupo politico unido. No que se refere a lideranças, Ueliton Vasconcelos (PPS) conseguiu segurar a maioria do seu lado. Claro, que ter os políticos, nem sempre significa ter o povo, pois já vimos muitos exemplos de eleições em que mesmo um grupo tido como forte, perdeu. Isso já ocorreu inclusive em Groaíras, quando em 2004, Zoélia venceu a indicada de Guimarães, que tinha o grupo politico mais forte daquela época, com uma maioria esmagadora de vereadores e lideranças ao seu lado, e não foi o suficiente para ter sucesso nas urnas.

Mas o fato é: Se os pré-candidatos a prefeito de oposição, não chegarem a um acordo, e tivermos mais de uma candidatura oposicionista, o caminho ficará mais fácil para o atual prefeito, que ganhará um novo gás para o pleito. Aliás, ele e seu aliados, com certeza, torcem pra que seja assim.


Eleições 2020: A decisão de concorrer


Por Francisco Ferraz

Tomar a decisão de concorrer é um problema que afeta a todos os pré-candidatos a uma eleição. Para alguns se trata do próximo passo numa carreira já assumida. Para outros, entretanto, implica numa decisão complexa e até angustiante.

A decisão de concorrer empurra o candidato para o melhor e para o pior dos mundos.

É uma experiência inesquecível que, no breve espaço de tempo em que ocorre, traz à tona o melhor e o pior das pessoas.

Você deve pensar bastante antes de dar este passo. Concorrer implica em jogar-se num mundo novo, fascinante e atemorizante, que tem o poder de fazer com que sua vida nunca mais seja como era antes. Ela será melhor ou pior, mas o certo é que não será igual.

Poucas atividades produzem um envolvimento pessoal tão intenso e tão exigente quanto à de ser um candidato. A candidatura provoca altos e baixos no seu humor e sentimentos, a cada dia ou mesmo a cada hora.

Com a decisão de concorrer, você transita, de maneira imediata, do mundo privado para a esfera da vida pública. Nesta passagem há perdas e ganhos. Você perde a proteção de sua privacidade, o comando do seu tempo, e muito da qualidade de sua vida pessoal e familiar.

Você por outro lado, ganha a experiência única de participar e influir nas questões maiores da sua comunidade, o envolvimento no mais emocionante dos jogos que um adulto pode jogar e a condição honrosa, para você e sua família de poder tornar-se uma autoridade pública.

A decisão de concorrer, portanto, considerando-se todos os aspectos que envolve, exige uma madura reflexão prévia e um julgamento sóbrio e realista. Você tem que entrar sabendo para não se arrepender depois.

Embora quem decida concorrer o faça na expectativa da vitória, é oportuno estar consciente de que, somente uma fração pequena dos que se candidatam conseguirá se eleger. Saber conviver com a derrota é, pois, uma condição psicológica indispensável.

É bem verdade que as derrotas na política, não são absolutas. Sua votação é seu capital. Um candidato derrotado para uma função pode vir a ocupar outra (derrota parcial/vitória parcial) em razão da votação que logrou fazer. É, pois, possível permanecer no “jogo”, mesmo não tendo obtido sucesso na disputa que enfrentou.

Para quem decidiu concorrer, portanto, o importante é continuar no jogo, o que se consegue com o apoio dos eleitores, mesmo que em número insuficiente para se eleger.

A competição política, como disputa, não é uma escaramuça simples, onde pessoas de “pele sensível” se enfrentam.

Ela exige, ao contrário, “pele grossa” para resistir os ataques, muita determinação, vontade e firmeza. Os melhores candidatos são operadores “duros”, capazes de aplicar tantos golpes quanto os que recebem.

Deve-se estar preparado para lidar com gestos tocantes de apoio e solidariedade, assim como gestos de covardia e traição. Deve-se ser capaz de inspirar outros, de motivá-los, de identificar-se com os seus sentimentos e desejos, sem comprometer sua visão estratégica e racional. Não se faz campanha sem emoção, mas não se ganha sem planejamento e racionalidade.

A decisão de concorrer implica também na decisão de preparar-se para a campanha eleitoral. O talento para a política pode ser inato na pessoa. Como em outras áreas, entretanto, o aproveitamento do talento como um diferencial na competição, dependerá sempre da disciplina, da preparação, do aprendizado e, no caso da política, da capacidade de produzir um trabalho coletivo.

O talento, sem estes acompanhamentos, pode produzir lances brilhantes, mas carecerá da continuidade, da profundidade e da disciplina, sem as quais dificilmente se conquista a vitória.

Há um conhecimento, testado e comprovado, sobre eleições e campanhas eleitorais, que o candidato não pode ignorar. Mais ainda, este é um conhecimento que está em constante transformação e evolução, de forma que, mesmo os políticos experientes, precisam se atualizar.

Uma campanha eleitoral moderna é um empreendimento muito complexo e sofisticado, quando comparado com as formas antigas e tradicionais de fazê-la.

Correndo contra um tempo que sempre é inferior ao desejável, e, contra uma necessidade de recursos que sempre é maior do que a disponibilidade, o planejamento e a organização para a coleta de informações, o posicionamento estratégico da candidatura, o marketing da campanha e as atividades presenciais do candidato, são imperativos dos quais dependem as chances de sucesso na disputa.

Na realidade, a campanha eleitoral é uma empresa (em certos casos, uma grande empresa) feita para durar alguns meses e produzir uma vitória. Montar esta empresa, sustentá-la e operá-la com eficiência, constitui um desafio que, por certo, exige preparação prévia e conhecimento.

A condição primeira, para que estas exigências da moderna campanha eleitoral sejam satisfeitas, é:

Uma decisão de concorrer, assumida “com gosto”, disposição para enfrentar o que vier pela frente e a ambição de vitória.
*Politica para políticos.


Carro usado no assassinato do prefeito de Granjeiro, no Ceará, é apreendido no Piauí

Secretário da Secretaria de Segurança Pública, André Costa, postou a apreensão do veículo na sua conta no Instagram. — Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal
A Polícia Civil do Ceará, com apoio das Polícias Civil e Militar do Piauí, apreendeu na noite desta quinta-feira (16) o veículo utilizado no assassinato do prefeito de Granjeiro, João Gregório Neto, de 54 anos, morto a tiros enquanto caminhava em 24 de dezembro de 2019. A informação foi confirmada pelo secretário da Secretaria da Segurança Pública, André Costa, por meio do seu perfil do Instagram, na manhã desta sexta-feira (17).

Durante a operação, quando os agentes de segurança chegaram ao local, um suspeito reagiu e atirou contra a equipe, mas foi contido e preso. André Costa disse ainda que mais informações sobre a operação serão divulgados pela Secretaria de Segurança Pública em um momento oportuno.

A Polícia Civil cumpriu, no início do mês de janeiro, mandados de prisão e busca e apreensão sobre o assassinato do gestor da cidade. Após investigações, o atual prefeito de Granjeiro, no Ceará, Ticiano Tomé, e o pai dele, Vicente Félix de Souza, de 60 anos, são suspeitos de envolvimento no assassinato de João Gregório Neto, segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).

O político Vicente Félix de Souza já começou a ser monitorado por tornozeleira eletrônica. A Polícia Civil solicitou a prisão de Vicente no dia 9 deste mês, mas o pedido foi negado pela Justiça Estadual, que determinou o uso do aparelho.
O equipamento foi colocado na perna do ex-gestor, investigado por participação na morte de João Gregório Neto - Foto: Hugo Delion/TV Cidade

Félix foi ao prédio da central de regulação das tornozeleiras eletrônicas, em Juazeiro do Norte, na terça-feira (14), para receber o aparelho. "Ele não estava utilizando porque, de fato, a intimação só foi efetivada na sexta-feira e os prazos processuais só iniciam cumprimento no dia posterior, no caso dia útil", explicou o advogado de defesa de Vicente, Luciano Daniel.

Luciano defende a inocência do cliente e diz que ele está contribuindo para as investigações. “Sabemos que (o cliente) é plenamente inocente até porque está colaborando com a Justiça, razão pela qual estamos aqui cumprindo a medida judicial”, concluiu.

Carro e documentos apreendidos

Vicente Félix de Souza foi alvo de uma operação deflagrada no dia 9 de janeiro e, com o uso da tornozeleira, deve manter-se em área restrita do monitoramento. Um terceiro suspeito de envolvimento na morte de João Gregório Neto tem mandado de prisão em aberto e está foragido.

Durante as investigações, feitas pelo Departamento de Polícia Judiciária do Interior Sul (DPJI Sul), um veículo modelo Chevrolet S10, de propriedade de um parente de Vicente Félix, documentos e aparelhos celulares foram apreendidos na casa do atual prefeito e do pai.

De acordo com André Costa, a polícia reuniu provas que indicam que o crime teve relação com a desavença política entre a vítima e outros políticos. A Polícia Civil chegou a pedir a prisão dos dois, mas a Justiça negou.
*G1 CE