quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Variante Delta no Ceará chega a 122 casos e são registrados os primeiros casos da cepa Mu, da Colômbia

 

Cepa colombiana é variante de interesse pelo potencial de transmissão e capacidade de escape de anticorpos - (Foto: iStock/Reprodução)


A Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), por meio do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs), detectou até esta quarta-feira (15) 122 casos da variante Delta do novo coronavírus. Também foi identificada a variante cepa Mu, originária da Colômbia, em duas viajantes.

 

Dos 122 infectados 39 não possuem histórico de viagens, o que indica transmissão comunitária. A Rede Genômica da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce) e o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), também identificou dois pacientes com casos importados da variante de interesse Mu, originalmente encontrada na Colômbia.

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica como variante de interesse aquelas que devem ser observadas pelo potencial de transmissão ou escape de anticorpos, mas que ainda não chegaram no patamar variantes de preocupação. Nessas últimas se enquadram as variantes Alfa (Reino Unido), Beta (África do Sul), Gama (Brasil) e Delta.

 

A cepa Mu atingiu duas mulheres residentes em Fortaleza, com 45 e  47 anos de idade. As duas foram imunizadas com a primeira dose da vacina contra covid-19 e viajaram para a Colômbia. Elas desembarcaram em Fortaleza no dia 6 de julho com sintomas gripais, foram a unidades de saúde e cumpriram autoisolamento durante a infecção.

 

As pessoas infectadas chegaram ao Ceará de diferentes destinos. Foram indentificadas 30 pessoas que passaram pelo Centro de Testagem (CT) de Viajantes montado pela Sesa no Aeroporto Internacional de Fortaleza – Pinto Martins. Mais da metade (17) são procedentes do estado do Rio de Janeiro. Outras 12  pessoas tripulantes de um navio ancorado no Mucuripe procedente das Filipinas. Ainda existem 143 casos em investigação.


Nenhum comentário: