<>

eiro o POVO

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

CAMOCIM E MAIS 9 MUNICÍPIOS CEARENSES SÃO INCLUÍDOS NA REGIÃO DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO

Arte: Funceme/Reprodução
Em decisão tomada nesta quinta-feira (23), o Conselho Deliberativo da Sudene (Condel) aprovou a inclusão de mais 73 municípios, dos quais 10 cearenses, na região do Semiárido brasileiro. A remarcação beneficiou principalmente cidades localizadas no litoral do Estado, que agora poderão contar com apoio federal em diversas frentes que estimulam o desenvolvimento regional.

Os municípios cearenses que serão incluídos no Semiárido são: Chaval, Barroquinha, Jijoca de Jericoacoara, Camocim, Bela Cruz, Cruz, Itarema, Trairi, São Gonçalo do Amarante e Guaiúba. Dentre os benefícios que estas cidades terão a partir de agora, há o acesso a investimentos em condições mais favoráveis para geração de emprego e renda, além de apoio em ações emergenciais para convívio com a seca.


Em julho os municípios que passam a integrar o semiárido foram: Acaraú, Amontada, Beberibe, Cascavel, Fortim, Granja, Marco, Martinópole, Moraújo, Morrinhos, São Luís do Curu, Senador Sá, Tururu, Uruoca e Viçosa do Ceará. Agora são 25 municípios do Ceará que passam a integrar a região do semiárido. O Governo do Estado pleiteia a inclusão de mais sete.

A remarcação dos municípios cearenses foi embasada em diversos estudos sobre a situação de cada município, incluindo um levantamento da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), que teve como base o percentual diário de déficit hídrico e o Regime de Aridez (RA).  O levantamento técnico foi validado por um grupo de trabalho interministerial do Ministério da Integração e da Superintendência.

“Considerando que o domínio da Caatinga está diretamente associado ao semiárido, foram priorizados os municípios que têm em seu território o bioma Caatinga, com áreas susceptíveis à desertificação, onde está concentrada cerca de 17% da população do País e onde verifica-se um aumento da vulnerabilidade e da pobreza, situação agravada pela falta de alimentos, escassez hídrica, degradação dos recursos naturais e redução da produção agrícola”, explica a supervisora do Núcleo de Recursos Hídricos e Meio Ambiente (NURHA) da Funceme, Margareth Benício.

Dentre os estados beneficiados, além do Ceará, estão a Bahia (9 municípios), Maranhão (2), Minas Gerais (6), Paraíba (24), Pernambuco (1) e Piauí (21). Dessa forma, a nova configuração do Semiário passa a ter 1.262 integrantes.
Com DN/Regional




Postar um comentário