<>

eiro o POVO

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Condenado a mais 50 anos, homem que participou de furto ao BC estava em prisão domiciliar

Raimundo Laurindo Barbosa Neto teve regressão de pena determinada há 13 dias por não cumprir prazos de apresentação à Justiça
(Foto: investigações da PF em 2006)
Preso nesta terça-feira, 18, integrante de grupo que furtou o Banco Central (BC) em Fortaleza tinha, somado, mais de 50 anos de penas a cumprir. Contudo, desde agosto do ano passado, ele estava em prisão domiciliar sendo monitorado por tornozeleira eletrônica.

A ordem para recolocar Raimundo Laurindo Barbosa Neto, 51, na cadeia foi determinada no último dia 5 de setembro. O juiz suspendeu a decisão anterior porque o réu não estava se apresentando à Justiça nos prazos estabelecidos.

O caso é conduzido pela 1ª Vara da Comarca de Boa Viagem, cidade natal do réu, e município onde ele foi encontrado pelos agentes do Comando Tático Rural (Cotar). Só pelo esquema em Fortaleza, pesa contra Laurindo a condenação de 170 anos de prisão, determinada em 1º grau, em 2011. A pena foi abrandada em dez vezes quando analisada em 2º grau.

Condenado a 17 anos em regime fechado, ele estava no Instituto Penal Professor Olavo Oliveira II (IPPOO II) até conquistar a condição de prisão domiciliar em agosto do ano passado.

Além dessa condenação, o cearense responde a outros crimes que, somados, superam 50 anos de prisão, conforme a guia de execução de penas. Entre elas, Laurindo é apontado como principal articulador de pelo menos três outras ações com modus operandi semelhante ao utilizado para furtar R$ 164,7 milhões do BC, em 2005.

De acordo com as investigações conduzidas à época pela Polícia Federal (PF), ele comandava duas frentes de escavação em Porto Alegre e uma em Maceió. O objetivo era, novamente, chegar a cofres de instituições financeiras.

Em nota enviada ao O POVO Online nesta terça-feira, 18, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que ele é investigado pela Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) por integrar um grupo criminoso especializado em roubo a instituições financeiras e a veículos de transportes de valores.
*O POVO Online



Postar um comentário