<>

eiro o POVO

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Município de Jijoca de Jericoacoara vai ao Ministério Público contra a Cagece, já em Martinópole, as autoridades estão muito ocupadas na campanha eleitoral.


Procurador Geral do Município de Jijoca Dr. Ary Leite e Promotor Dr. Victor Borges
A Prefeitura Municipal de Jijoca de Jericoacoara, através da Procuradoria Geral do Município, que tem a frente o Dr. Ary Leite, ingressou com representação no Ministério Público Estadual, recepcionado pelo Promotor Dr. Victor Borges, acerca do desabastecimento de água que já se tornou recorrente no município, requerendo adoção de medidas judiciais cabíveis para solucionar o grave problema que vem causando sérios transtornos à população Jijoquense.

A representação em face da Companhia de Água e Esgoto do Ceará - CAGECE, diz que, a população passa de 10 (dez) dias sem ser assistida pelos serviços da estatal, e que desde 2017 vem ocorrendo sérios problemas de abastecimento SEM QUE HAJA AVISO PRÉVIO OU QUALQUER TIPO DE JUSTIFICATIVA DA COMPANHIA, restando comprovada à necessidade para que o Ministério Público tome as providências cabíveis ao presente caso.

Martinópole

A falta de água virou rotina na cidade de Martinópole. A pedido da população, a imprensa local tem denunciado por diversas vezes o descaso. Moradores da cidade através das redes sociais e atendimento online pelo portal da Cagece também denunciam e clamam por uma solução, mas nem uma nota de esclarecimentos por parte da empresa é divulgada. Até a Câmara de vereadores do município realizou audiência pública para tentar minimizar a situação, porém o problema persiste.

Cagece- Martinópole

Com o fervor da campanha eleitoral, as autoridades agora querem saber é de eleger seus candidatos, fazendo acordos políticos na maior cara de pau e pouco se lembram do clamor da população martinopolense.

Reportagem do Ceará Acontece esteve analisando as denuncias dos moradores de Martinópole. A falta de água, problema que se repete há muito tempo e que tem afetado vários bairros da cidade.

Louça na pia, nenhuma gota de água no registro da casa, plantinhas secando, roupa sem lavar no tanque ou na máquina. Estes são apenas alguns dos transtornos que a população de Martinópole tem enfrentado em virtude de um problema que se repete há muito tempo, a falta de água. Vários bairros da cidade ficaram sem água e segundo os moradores, dependendo da semana, são dois, três ou até quatro dias consecutivos sem água. “A falta de água, a gente não consegue entender o porquê. Falta água nos tempos de chuva e não é pouco às vezes dois, três dias. Muita gente das vilas mais altas fica sem água e tem que pegar água nos poços ou pagar para outra pessoa trazer até nossas casas. Porque não tem água nem pra tomar banho, lavar louça, às vezes não tem água nem pra lavar o rosto quando levanta de manhã”, diz o morador.
Protocolo de atendimento ao cliente 

Ainda segundo moradores, dependendo do dia a água chega de repente e em pouco tempo falta novamente, a quantidade é insuficiente.

“Fica difícil para a gente entender e faz tempo que acontece essas coisas e ninguém toma providência. Então queria saber por que ninguém faz nada para melhorar a situação”, questiona, o morador nas redes sociais.






Postar um comentário