teste

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Deputados estaduais pedem mobilização em favor do BNB

Foto: reprodução rede social Facebook
Deputados cearenses reagiram, ontem, durante sessão no plenário da Assembleia Legislativa, a uma possível privatização ou fusão do Banco do Nordeste do Brasil (BNB).

Em defesa da instituição, o deputado Moisés Braz (PT) frisou que o BNB foi o banco que mais desenvolveu políticas de fomento no Nordeste, nos últimos 15 anos. “Só lamento a possibilidade de o banco ser privatizado. Se isso acontecer, ele deixará de gerar oportunidades para os pequenos produtores”, assinalou.

O deputado Sérgio Aguiar (PDT) vem articulando uma mobilização pela manutenção do Banco do Nordeste do Brasil (BNB). Segundo ele, há notícias de que a instituição estaria na lista das empresas públicas e de economia mista a serem privatizadas pelo Governo Bolsonaro até fim do ano.

Aguiar disse que apresentou requerimento ao presidente Jair Bolsonaro, ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e aos presidentes do Legislativo Federal, solicitando, além da manutenção, o fortalecimento da instituição diante da importante representatividade socioeconômica para o País e valorização dos servidores.   “Que numa grande união política no Ceará tenhamos a hombridade e a relevância de participarmos de uma luta tão importante para o Estado que é a manutenção das atividades do Banco do Nordeste. Que tenhamos ações determinantes”, clamou.

Já o deputado Nezinho Farias (PDT) reforçou a ideia de uma bancada “Pró-BNB”, com deputados estaduais, federais e senadores cearenses, no sentido de fortalecer o banco e impedir a privatização.

Sobre o tema, o deputado Heitor Férrer (PSB) reforçou a preocupação e manifestou apoio na luta pela permanência do BNB. “Alguém tem que se movimentar e, quem vive no Ceará e em outros estados do Nordeste, sabe da importância do BNB. Essa movimentação tem que ser feita antes de um tiro de misericórdia”, afirmou. Para ele, é necessário tirar da classe política o direito de indicar a Presidência de bancos oficiais, que, deve ser ocupada por servidores concursados.
*Informações: ALCE

Nenhum comentário: