teste

sexta-feira, 8 de março de 2019

Fiéis relatam queimaduras após cinzas usadas em missa entrarem em contato com a pele


A sogra da professora Maria Arli ficou com a testa marcada pelas cinzas (Foto: Arquivo Pessoal)
Um grupo de fiéis relatou ter ficado com queimaduras na testa após as cinzas, usadas na missa dessa quarta-feira, 6, pela Igreja católica de Ipueiras, ter entrado em contato com a pele. Segundo eles, a reação foi imediata e deixou marcas.

A professora Maria Arli Alves Damasceno contou que o filho, de 11 anos, e a sogra, Francisca Alves, estiveram na missa e foram atingidas pelas cinzas na testa. A prática é comum em celebrações católicas e consiste em receber na testa ou na cabeça o sinal da cruz feito com cinzas.

"A gente está surpreso. Eu acredito que o padre não tem culpa do que aconteceu, foi uma fatalidade. Eu não quero culpar ninguém, só sei que foi um fato lamentável", relatou Maria Arli. "Não estou procurando culpados ou culpando alguém", disse.

Segundo o filho e a sogra de Maria Arli, outros presentes também sentiram o desconforto causado pelas cinzas de imediato. "Tenho pena do padre ter passado por isso, como também tenho pena dos fiéis que passaram por esse constrangimento". Ela diz ter esperanças de que se descubra o que causou a reação.

Cristiano Chaves contou ao O POVO Online que a sensação de queimação demorou cerca de um minuto para começar. "Eu percebi que tinha alguma coisa errada. Tava ardendo muito, uma dor insuportável". Inicialmente, ele achou que a dor era proposital, para causar "sacrifício" aos fiéis.
Segundo Cristiano Chaves, as cinzas foram enviadas para análise (Foto: Arquivo Pessoal)

"Comecei a olhar para as pessoas e percebi que estavam alvoroçadas, se abanando. Então eu vi que não era só comigo", contou Cristiano. Segundo ele, o próprio padre pediu que os fiéis limpassem as cinzas da testa. Só então os presentes se deram conta dos hematomas causados.

"O padre pediu desculpas, se emocionou, e explicou que não sabia o que tinha acontecido". Cristiano relata que as cinzas foram enviadas para Fortaleza, para passar por análise.

Uma outra mulher, que não quis se identificar, relatou que a reação foi imediata e que todos, inclusive o padre, sentiram o desconforto. "Assim que recebemos (as cinzas) que começou a queimar, eu fui embora", disse ela. "Tinha crianças também. Foi lamentável".

Ela disse também que acredita que o fato foi causado propositalmente "de má fé" e espera que sejam apuradas as causas do ocorrido. Uma amiga dela, que também estava no local, disse que o padre pediu desculpas pelo ocorrido e chegou até a chorar.

A reportagem entrou em contato com a secretaria paroquial de Ipueiras, que, inicialmente, não confirmou a história. Em uma segunda ligação, foi informado que o padre não estava presente no momento e que não havia "informações sobre o assunto".

A diocese de Crateús, responsável pela paróquia de Ipueiras, também foi procurada. Entretanto, informou ao O POVO Online que apenas o pároco da igreja onde o caso ocorreu poderia dar detalhes.




Nenhum comentário: