teste

sexta-feira, 10 de abril de 2020

Contato virtual e sem aperto de mão: coronavírus barra ímpeto de pré-candidatos a prefeito e a vereador

O impedimento para o abraço, o aperto de mão e a conversa olho no olho abriu o espaço para a troca de mensagens pelas redes sociais.
A pandemia de coronavírus que impôs o isolamento social a milhões de cearenses, a exemplo do que ocorre em todo o Brasil, barrou, temporariamente, o ímpeto dos pré-candidatos a vereador e a prefeito nas pequenas, médias e grandes cidades.

A pandemia de coronavírus que impôs o isolamento social a milhões de cearenses, a exemplo do que ocorre em todo o Brasil, barrou, temporariamente, o ímpeto dos pré-candidatos a vereador e a prefeito nas pequenas, médias e grandes cidades.

As conversas que alimentam o sonho de uma vaga na Câmara Municipal ou o cargo de prefeito são frias e longe do calor que gera entusiasmo entre eleitor e pré-candidato. A angústia aumenta para quem está fora do poder. Contribui para esse esfriamento o desinteresse ainda maior dos cidadãos com o tema eleições. A preocupação é única: covid-19. O impedimento para o abraço, o aperto de mão e a conversa olho no olho abriu o espaço para a troca de mensagens pelas redes sociais. Os encontros são virtuais como tentativa para animar aliados e deixarem vivos quem traça planos para conquistar a Câmara ou a Prefeitura. A postagem de vídeos enche as redes sociais e, quando feita com repetição, gera efeito contrário, tornando-se enfadonha e cansativa.

Quem está na oposição sofre mais e, olhando pelo retrovisor, enxerga atuais prefeitos ganhando fôlego com as medidas sociais e econômicas para beneficiar as famílias mais vulneráveis. Ações que ganham, na interpretação dos opositores, um viés eleitoral ou pré-eleitoral, mesmo que o estado de calamidade pública empurre o gestor para, com justiça, contemplar quem mais precisa.

Há, nessa caminhada pré-eleitoral, uma certeza: a caneta na mão começa a permear o caminho para reencontro com eleitores, ex e futuros aliados. Muitos prefeitos, que querem concorrer à reeleição e enfrentam desgaste ou querem eleger o sucessor, encontram na pandemia do coronavírus o guarda chuva para anunciar medidas que os aproximam mais da população e os dão mais visibilidade. Entre o social e o eleitoral, a distância vai encurtando.

CALENDÁRIO x PANDEMIA

O primeiro turno do pleito está marcado para o dia 4 de outubro, mas antes dessa data o calendário prevê uma sequência de atos que os partidos, eleitores e pré-candidatos precisam cumprir. São atos que passam pela filiação partidária e transferência de domicílio eleitoral – ocorridos no mês de abril, regularização do título de eleitor (6/05) e, por exemplo, convenções (20/07 a 5/08) para oficialização de alianças partidárias e candidaturas.

As datas do calendário estabelecido pela Justiça Eleitoral precisam ser rigorosamente cumpridas para candidatos, partidos e eleitores estarem aptos a participar das eleições de 2020. Há, no caminho dessa agenda, a possibilidade das eleições serem adiadas em função da crise sanitária que, até o momento, fez o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cancelar dois testes (março e abril) do sistema das urnas eletrônicas e adiar o treinamento de mesários que atuarão no primeiro e segundo turnos das eleições.
*Jornalista Luzenor de Oliveira


Nenhum comentário: