teste

quinta-feira, 2 de abril de 2020

Prefeito acusado de estupros no Ceará deixa presídio por risco de coronavírus

O médico (de branco) foi posto em liberdade nesta quarta-feira (1ª). Ele saiu acompanhado da mulher e do advogado de defesa Leandro Vasques Foto: Kid Junior
A Justiça do Ceará concedeu prisão domiciliar ao médico e ex-prefeito de Uruburetama, José Hilson de Paiva, 71, acusado de estuprar pacientes em atendimento. Nesta quarta-feira (1º) ela deixou a unidade prisional onde estava desde julho de 2019. Conforme decisões proferidas nas Varas da Comarca de Cruz e na Comarca de Uruburetama, José Hilson Paiva vai para prisão domiciliar com monitoramento por tornozeleira eletrônica.

Ele é acusado de cometer crimes sexuais durante anos nas cidades de Cruz e Uruburetama, interior do Ceará. Conforme os autos, os assédios aconteciam dentro do consultório do médico.

Há duas semanas, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) emitiu recomendação sobre a reavaliação de prisões provisórios, especialmente quanto a grupos mais vulneráveis, devido à pandemia do novo coronavírus. O acusado integra o grupo de risco do novo coronavírus devido à idade dele e por ser portador de insuficiência coronária. O G1 apurou que decisão teve com base esta recomendação.

Em nota à imprensa, os advogados de defesa do acusado, representados por Leandro Vasques, informaram que "os pedidos consideraram, principalmente, o contexto de pandemia causado pelo novo coronavírus". "Ademais, o delicado estado de saúde do Sr José Hilson, já demonstrado em outras ocasiões, o torna especialmente vulnerável a essa infecção viral", afirma a defesa.

Ainda de acordo com a defesa de Paiva, "as aludidas decisões e o conteúdo dos autos processuais estão resguardados pelo segredo de Justiça, de modo que a defesa se limita a explicar a razão pela qual o sr José Hilson de Paiva deixou a unidade prisional em que se encontrava e passou a cumprir prisão domiciliar com monitoramento eletrônico.



Nenhum comentário: