teste

segunda-feira, 12 de outubro de 2020

Escândalo de empresa milionária atinge pelo menos oito Prefeituras no Ceará

 


O histórico, no mínimo, curioso da empresa levantou suspeitas da Polícia Civil e do Ministério Público. O antigo proprietário da empresa Rota Ativa Serviços, faleceu no dia 4 de maio de 2020, em um acidente de trânsito e, dois dias após o seu óbito, a empresa foi transferida pelo falecido, na Junta Comercial, utilizando-se seu certificado digital, a uma mulher.

A transferência indevida se deu para a Bárbara Milena Morais, que, supostamente, a comprou por quase R$ 2 milhões, mas, mesmo assim foi beneficiária do Auxílio Emergencial, que tinha por objetivo ajudar pessoas em estado de necessidade durante a pandemia.


No inquérito em que foram indiciados, Barbara Milena Morais e o contador da empresa assumem que utilizaram o certificado digital de Felipe Robson Prado, após a sua morte e, por isso, foram indiciados.

Após a transferência da empresa, a Prefeitura Municipal de Acopiara, como exemplo, firmou um contrato de quase R$ 150 mil com a empresa que possui 23 milhões em contratos com mais sete prefeituras: Maranguape, Pedra Branca, Crateús, Jijoca de Jericoacoara, Itatira, Acaraú e Uruburetama. A suspeita do Ministério Público é de que a empresa seja controlada por outra pessoa e sirva de abastecimento ilícito de recursos para as prefeituras, já que a empresa possui apenas um funcionário e quatro veículos, conforme declarações da própria dona, que nada pagou para ser proprietária de uma empresa com milhões em licitação.

Com Roberto Moreira

 

 

 

Nenhum comentário: