quinta-feira, 3 de junho de 2021

Canon fecha fábrica brasileira de câmeras na Zona Franca de Manaus

 

Cerca de 40 trabalhadores devem perder o emprego (Foto: Divulgação)

A Canon, fabricante japonesa de câmeras digitais, anunciou que está encerrando a linha de produção de sua unidade no Brasil, na Zona Franca de Manaus. A decisão partiu da matriz e a unidade no Polo Industrial de Manaus, inaugurada em 2013, foi a primeira da marca fora da Ásia, segundo a direção da empresa informou à época.

 

Cerca de 40 trabalhadores devem perder o emprego. Eles foram comunicados do fechamento da planta em janeiro, segundo a empresa, que não pretende fechar outras fábricas no mundo além da de Manaus. O processo de liquidação deve ser encerrado em julho.

 

A escolha da empresa por operar no Brasil há quase dez anos fazia parte de um plano estratégico e foi impulsionada pelo aquecimento do mercado de câmeras digitais em mercados emergentes. A fábrica também foi criada com o objetivo de facilitar as vendas no mercado brasileiro, mas a pandemia pesou na decisão de encerrar a produção no país, segundo a reportagem apurou.

 

Apesar da decisão, a Canon informou que não irá deixar o mercado brasileiro e nem deve encerrar totalmente suas operações no país, continuando a vender câmeras e outros produtos. “A Canon continua em plena atividade no Brasil, oferecendo seus produtos fotográficos, de impressão e imagem por sua loja virtual ou por sua equipe de campo”, disse a empresa, por meio de nota.

 

Mercado importante

 

A matriz japonesa também reforça que o Brasil continua sendo um mercado importante para a marca e planeja lançamentos de produtos no país. Segundo a empresa, o fechamento da fábrica também não deve afetar o atendimento ao consumidor, mantendo os prazos de garantia de produtos e os serviços de assistência técnica.

 

O movimento da Canon, no entanto, não é isolado. Recentemente, outras multinacionais de peso anunciaram a decisão de fechar fábricas ou deixar de vez o Brasil.

 

A LG, por exemplo, colocou sua planta no interior de São Paulo à venda; a Sony também anunciou o encerramento de sua unidade em Manaus; a Ford também decidiu parar de produzir no Brasil, mas manteve a fábrica funcionando na Argentina.

 

Outros exemplos são a espanhola Cabify, de serviços de carona, que desistiu do país por causa da crise econômica e a cimenteira franco-suíça LafargeHolcim, a maior do mundo no ramo.

 

A saída dessas empresas é avaliada por economistas como resultado da piora de problemas estruturais do país, como a baixa competitividade, falta de incentivos à inovação ou mudanças em escala global que foram aceleradas por conta da pandemia do novo coronavírus.

 

Um indicador ajuda a mapear essas dificuldades: o Brasil é antepenúltimo (ou o terceiro pior) emergente em um ranking de vulnerabilidade macroeconômica elaborado pela consultoria MB Associados. O ranking contrapõe indicadores como crescimento do PIB, inflação, desemprego e dívida bruta do governo, e a economia brasileira só é menos vulnerável do que a da Argentina (74%) e a da África do Sul (67%).

 

Veja exemplos de empresas que deixaram o Brasil:

 

Ford: A montadora decidiu encerrar produção e fechar três fábricas. Em comunicado, a empresa anunciou que a decisão fazia parte de uma reestruturação global.

 

Mercedes-Benz: A empresa anunciou que deixaria de produzir carros em Iracemápolis (SP), pela situação do mercado, mas manteve produção de caminhões e chassis de ônibus.

 

Sony: Fabricante de eletrônicos anunciou que deixaria de fabricar e vender TVs, equipamentos de áudio e câmeras, devido ao cenário desafiador do mercado brasileiro.

 

Cabify: Em comunicado, a companhia afirmou que, após análise do mercado, tomou a decisão de encerrar o serviço e que o Brasil segue muito afetado pela crise sanitária.​

 

LafargeHolcim: A fabricante de cimento franco-suíça deve concentrar atividades na Europa. Incertezas e dólar podem ter pesado contra permanência da cimenteira no Brasil.

 

LG: O fechamento da fábrica de celulares da LG no Brasil coloca em risco 830 empregos diretos. A empresa anunciou que irá encerrar até o fim de julho seus negócios em telefonia móvel no mundo.

 

Forever 21: A varejista anunciou que fecharia as 11 lojas nos shoppings da rede Multiplan, em SP, DF e RS, entre outras. A empresa não conseguiu chegar a um acordo na negociação de aluguel.

 

Wendy’s: Após três anos de atividade no país, a hamburgueria fechou as unidades brasileiras. A lanchonete, famosa pelos lanches quadrados, chegou a ter cinco lojas em São Paulo.

 

Glovo: A empresa de entregas, concorrente de iFood e Rappi, anunciou em 2019 que encerraria suas atividades no Brasil. Em comunicado, a empresa alegou dificuldades pela alta competitividade, o que demandaria mais investimentos.

Nenhum comentário: