sexta-feira, 20 de maio de 2022

Ceará tem a maior proporção de alunos em tempo integral no ensino fundamental da rede pública

 

No ensino integral, o aluno permanece na escola por dois períodos, tem oportunidade de estudar e manter atividades educativas, culturais e esportivas em outro turno. (Foto: Governo do Estado/Divulgação)

Ceará tem a maior proporção de alunos em tempo integral matriculados na rede pública de ensino fundamental no país em 2021. Os dados são do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

 

Os números foram divulgados nesta quinta-feira (19) pelo Inep e integram os resultados finais da segunda etapa do Censo Escolar da Educação Básica 2021.

 

No ensino integral, o aluno permanece na escola por dois períodos, tem oportunidade de estudar e manter atividades educativas, culturais e esportivas em outro turno.

 

Segundo o Censo Escolar, 33,2% dos alunos do ensino fundamental matriculados na rede pública no Ceará têm ensino em tempo integral. Em seguida aparecem Maranhão (24,3%) e Piauí (23,9%).

 

Ainda segundo o estudo do Inep, o Ceará é o terceiro do país na proporção de alunos em tempo integral matriculados na rede pública de ensino médio, com 33,2%. Em primeiro aparece Pernambuco (58,5%).

 

Taxa de abandono escolar

 

O Inep mostra também que a taxa de abandono escolar no Ensino Médio na rede pública mais que dobrou no ano passado no Brasil. Em 2020, o percentual de estudantes que abandonaram instituições foi de 2,3%, enquanto que, em 2021, a taxa foi de 5%.

 

No ensino fundamental, a taxa de abandono escolar foi de 1%, em 2020, para 1,2%, em 2021. A única rede que não apresentou elevação foi a privada.

 

Ainda, segundo o levantamento, a região Norte do país foi a que mais sofreu com o abandono dos alunos. Enquanto o país teve um índice de 5% no ensino médio, juntos, os estados do Norte acumularam uma taxa de 10,1% de abandono. Já na etapa do ensino fundamental, o valor foi de 2,5% nesta região.

 

Taxas de aprovação e reprovação

 

A segunda etapa do Censo apontou ainda para uma redução da taxa de aprovação na rede pública em todas as etapas de ensino em comparação com o ano de 2020.

 

Os dados vem após uma certa estabilidade nas taxas de aprovação e reprovação dos alunos em decorrência da pandemia de covid-19 e das estratégias para o seu enfrentamento — como a adoção do “contínuo curricular”, medida que “juntou” os anos letivos de 2020 e 2021 para evitar o aumento da reprovação.

 

Ensino Fundamental

 

Em 2020, a taxa de aprovação nos anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano), na rede pública, foi de 98,9%. Já em 2021, esse percentual caiu para 97,6%. Essa redução de 1,3 ponto percentual entre um ano e outro foi a primeira nos últimos cinco anos.

 

Ou seja, com essa queda na aprovação, consequentemente, houve um aumento na reprovação entre 2020 e 2021.

 

Nos anos finais do ensino fundamental, os índices de aprovação caíram em todas as dependências administrativas da rede pública. Em 2020, essa taxa foi de 97,8%. No ano passado, as aprovações diminuíram para 95,7%.

 

As taxas de reprovação nessa etapa também aumentaram, passando de 0,8% para 2%.

 

Ensino Médio

 

Já no ensino médio, a taxa de aprovação caiu de 95% para 90,8% em relação ao ano de 2020.

 

Esse movimento tem reflexo no índice de reprovação: no ano passado, a taxa nessa etapa de ensino foi de 4,2%, um aumento de 1,5 ponto percentual em comparação com 2020 (2,7%).

 

Censo Escolar

 

O Censo Escolar é a principal pesquisa estatística do governo federal sobre a educação básica. O levantamento, coordenado pelo Inep e realizado, em regime de colaboração, entre as secretarias estaduais e municipais de educação, serve de base para o repasse de recursos.

 

Os dados abrangem as diferentes etapas e modalidades da educação básica: ensino regular, educação especial, educação de jovens e adultos (EJA) e educação profissional.

(g1ce)

Nenhum comentário: