<>

segunda-feira, 3 de junho de 2019

Governador do Ceará vai reavaliar convocação de concursados só no 2º semestre


Camilo Santana disse que não voltará atrás da decisão antes de julho (Foto: Fábio Lima/O POVO)
Uma semana após anunciar a suspensão de concursos do Estado, o governador Camilo Santana (PT) disse nesta segunda-feira, 3, que só analisará possíveis novas convocações a partir do 2º semestre. Sem antecipar datas ou detalhes, o governador disse que irá avaliar e anunciar os “momentos corretos” para convocar novos servidores só depois de julho.

“Deixei para o segundo semestre para avaliar as datas do chamamento de novos concursos”, disse Camilo, em participação do VII Seminário Prefeitos do Ceará 2019, no Centro de Eventos. “Agora, no segundo semestre, vamos avaliar e anunciar os momentos corretos, adequados, para fazer a convocação”, completa o governador.

Em entrevista coletiva, Camilo voltou a culpar a atual instabilidade da economia brasileira pela retração dos gastos do Estado. “Há uma incerteza muito grande na economia brasileira, e isso afeta estados e municípios (…) precisamos garantir que o Estado do Ceará, que é modelo para o resto do Brasil em saúde fiscal, continue nesse rumo”, afirmou.

Ele nega, no entanto, que a opção signifique que o governo não dê importância para a formação de carreiras de Estado. “Se tem um governador que fez mais concursos e que mais investiu em pessoal no Brasil, foi o Estado o Estado do Ceará. Nós fomos no ano passado o estado que mais aumentou gastos em pessoal do Brasil”, diz.

No final de maio, o secretário do planejamento e gestão, Mauro Filho, anunciou pacote de medidas de ajuste fiscal que prevê corte de R$ 390 milhões nas despesas de manutenção da máquina pública. Outro ponto do pacote foi a suspensão temporária de concursos públicos no Ceará, assim como da homologação dos já realizados e convocação dos aprovados.

Estavam previstas para esse ano, por exemplo, provas para a Polícia Militar e para a Secretaria de Desenvolvimento Agrário. Servidores do Estado também não receberão reajuste. Haverá apenas reposição salarial pela inflação para funcionários que recebem um salário mínimo (atualmente, R$998) e para categorias como professores e agentes de saúde, que contam com piso regulado por lei federal.
*O POVO/Politica

Nenhum comentário: