teste

quinta-feira, 5 de março de 2020

Sérgio Aguiar diz que a economia do mar vai crescer nos próximos 10 anos

Sérgio Aguiar defendeu um maior foco na economia do mar, com base nos estudos, no sentido de fortalecer as atividades relacionadas no intuito de gerar ainda mais emprego e renda no Ceará. (Foto: divulgação) 
De Icapuí, na divisa com o Rio Grande do Norte, a Chaval, na divisa com o Piauí, o Ceará tem 573 quilômetros de litoral, passando pelo litoral leste, Região Metropolitana de Fortaleza e litoral oeste. A extensa faixa litorânea vibra com o anúncio feito pelo deputado estadual Sérgio Aguiar (PDT) na sessão plenária desta quarta-feira. A novidade é a perspectiva de crescimento para a economia do mar, principalmente, no Estado do Ceará.

A novidade vem do estudo divulgado na terceira edição do Leme Barômetro PwC de Economia do Mar – Ceará, lançado pela Federação das Indústrias do Estado Ceará (Fiec) em parceria com a PricewaterhouseCoopers (PwC). Sérgio Aguiar informou que o segmento nomeado de economia do mar, inclui desde o setor logístico ao entretenimento e turismo e deverá ter sua atuação dobrada nos próximos 10 anos no Estado.

A projeção, segundo Sérgio Aguiar, foi feita pelo sócio e líder do Centro de Excelência Global da PwC para o Mar, Miguel Marques, e aponta que o Ceará está tomando a liderança nacional das indústrias do mar. “De 2017 para 2018, praticamente todas as atividades relacionadas à economia do mar avaliadas mostraram crescimento no Ceará. A movimentação de contêineres foi a que mais avançou no período. Também atividades ligadas ao entretenimento, desporto, turismo e cultura, com o trânsito de passageiros no Porto do Mucuripe crescendo 0,59 %”, salientou.

O deputado comemorou a projeção e enalteceu a visão pioneira do senador e ex-governador Tasso Jereissati, ainda na década de 1990, quando imaginou um novo terminal portuário mais distante da Capital e que abriria muitas portas para o Ceará. “Ele enxergou uma oportunidade de deixarmos o estado primário da economia pesca, agricultura, agropecuária para nos tornar um estado onde o setor de indústria tivesse uma comunicação maior com o mercado, tornando-se zona de processamento de informação com a usina siderúrgica, exportação e importação, dentre outras ações”, relembrou.

Sérgio Aguiar defendeu um maior foco na economia do mar, com base nos estudos, no sentido de fortalecer as atividades relacionadas no intuito de gerar ainda mais emprego e renda no Ceará. Aguiar diz que a economia do mar vai crescer nos próximos 10 anos

De Icapuí, na divisa com o Rio Grande do Norte, a Chaval, na divisa com o Piauí, o Ceará tem 573 quilômetros de litoral, passando pelo litoral leste, Região Metropolitana de Fortaleza e litoral oeste. A extensa faixa litorânea vibra com o anúncio feito pelo deputado estadual Sérgio Aguiar (PDT) na sessão plenária desta quarta-feira. A novidade é a perspectiva de crescimento para a economia do mar, principalmente, no Estado do Ceará.

A novidade vem do estudo divulgado na terceira edição do Leme Barômetro PwC de Economia do Mar – Ceará, lançado pela Federação das Indústrias do Estado Ceará (Fiec) em parceria com a PricewaterhouseCoopers (PwC). Sérgio Aguiar informou que o segmento nomeado de economia do mar, inclui desde o setor logístico ao entretenimento e turismo e deverá ter sua atuação dobrada nos próximos 10 anos no Estado.

A projeção, segundo Sérgio Aguiar, foi feita pelo sócio e líder do Centro de Excelência Global da PwC para o Mar, Miguel Marques, e aponta que o Ceará está tomando a liderança nacional das indústrias do mar. “De 2017 para 2018, praticamente todas as atividades relacionadas à economia do mar avaliadas mostraram crescimento no Ceará. A movimentação de contêineres foi a que mais avançou no período. Também atividades ligadas ao entretenimento, desporto, turismo e cultura, com o trânsito de passageiros no Porto do Mucuripe crescendo 0,59 %”, salientou.

O deputado comemorou a projeção e enalteceu a visão pioneira do senador e ex-governador Tasso Jereissati, ainda na década de 1990, quando imaginou um novo terminal portuário mais distante da Capital e que abriria muitas portas para o Ceará. “Ele enxergou uma oportunidade de deixarmos o estado primário da economia pesca, agricultura, agropecuária para nos tornar um estado onde o setor de indústria tivesse uma comunicação maior com o mercado, tornando-se zona de processamento de informação com a usina siderúrgica, exportação e importação, dentre outras ações”, relembrou.

Sérgio Aguiar defendeu um maior foco na economia do mar, com base nos estudos, no sentido de fortalecer as atividades relacionadas no intuito de gerar ainda mais emprego e renda no Ceará.
*Roberto Moreira
*AlceCe



Nenhum comentário: