sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

Em visita ao Ceará, Bolsonaro faz aglomeração, critica PT e desafia governadores

 

De tudo que falou, um discurso curto e sem tanto destaque, sobressaem-se os trechos em que ele acena para um eventual confronto com a esquerda e o PT. (Foto: divulgação)

O roteiro do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Ceará era relativamente previsível. Sem nada mais importante que não a própria agenda de reeleição, o ex-militar participou da inauguração de obra viária em Tianguá, no interior do estado, de onde seguiu para Fortaleza.

 

A obra é o que menos importante. Com discurso de campanha, Bolsonaro criticou gestores estaduais, numa mensagem indireta a Camilo Santana, e o partido do governador do Ceará, o PT.

 

O presidente ocupou boa fatia do seu tempo lembrando que concluía agora uma obra que estava parada havia mais de dez anos, referindo-se aos ex-governos de Lula e Dilma Rousseff.

 

O chefe do Planalto antecipa, desse modo, o discurso de 2022. Com pré-campanha na rua, Bolsonaro ensaia a retórica que levará para a reeleição.

 

E o laboratório discursivo escolhido por ele é exatamente um território muito caro ao PT: o Nordeste, e, na região, o Ceará, sob comando de um petista.

 

Não à toa gritos de “Fora, Camilo” foram entoados por aliados do presidente, estimulados por ministros de Estado, como Onyx Lorenzoni, que sugeriu que o governador “não era amado por seu povo”.

 

Ao lado de Tarcísio Freitas, ministro da Infraestrutura e fiel escudeiro, Bolsonaro faz um duplo movimento na sua intensa agenda cearense: tenta recuperar popularidade, perdida na esteira do fim do auxílio emergencial e do agravamento da pandemia, e afia uma narrativa para as eleições do ano que vem.

 

De tudo que falou, um discurso curto e sem tanto destaque, sobressaem-se os trechos em que ele acena para um eventual confronto com a esquerda e o PT.

 

Mais uma vez, o presidente deu mostras de que parece já ter escolhido o seu adversário preferencial para 22.

 

Totalmente devotado a essa pré-campanha, o presidente foi lembrado pelos próprios presentes ao evento do que é mais importante do que antecipar a disputa.

 

Do lado de fora das grades, apoiadores gritaram: “Queremos emprego”. Para isso, no entanto, o Brasil precisa de vacina.

 

Infelizmente, o presidente não dedicou um segundo sequer do seu tempo à saúde dos brasileiros num momento em que chegamos às piores marcas da pandemia.

Fonte: Politica o POVO – Por Henrique Araújo



Nenhum comentário: